4 dicas e cuidados que você deve ter com a pintura de área externa

3 minutos para ler

A pintura de área externa é uma das etapas mais importantes de uma obra ou uma reforma. Naquele momento, será dado o toque final da arquitetura, que, além de garantir a beleza, é responsável pela proteção contra danos.

Então é preciso fazer um trabalho cuidadoso para garantir a satisfação do cliente. Para isso, você pode adotar algumas dicas que vamos explicar a seguir. Acompanhe!

1. Evitar a Tinta Látex ou PVA para a pintura de áreas externas

Nem toda tinta utilizada para paredes internas funciona bem para as áreas externas. Afinal, cada uma delas está submetido a riscos completamente diferentes, e a pintura deverá ser capaz de neutralizá-los.

Nos muros e nas fachadas há uma maior exposição direta das superfície com os raios solares. Ademais, há um maior contato com a umidade, a poluição e danos físicos. Portanto a tinta precisa ser mais resistente a:

  • lavagens para retirada de resíduos;
  • desbotamento pelos raios UV;
  • dilatações pelas variações de temperatura;
  • descascamentos;
  • impactos etc.

Nesse sentido, as tintas de látex ou PVA estão totalmente contraindicadas. Apesar de excelentes para os ambientes internos, do lado de fora, elas não resistem à ação da água, além de se desbotarem facilmente.

2. Verificar o estado das paredes antes de começar a pintar

Outro fator importantíssimo para o sucesso da pintura é verificar o estado da superfície antes de aplicar a tinta. Para isso, analise primeiramente o material utilizado para o reboco, pois é preciso haver compatibilidade entre a tinta e ele.

Então é hora de procurar falhas, como bolhas, rachaduras, espaços ocos, camadas de pinturas anteriores etc. Se houver um comprometimento estrutural grave, com risco de queda, não execute nenhum trabalho por mais simples que seja. Isso garante sua segurança.

Não inicie nenhuma etapa sem ter mapeado tudo e explicado para o cliente. Senão as falhas se intensificarão com o tempo e comprometerão a qualidade do seu serviço, e o cliente pode acabar culpando você por isso.

3. Preparar corretamente a superfície

A preparação é a reparação dos problemas identificados no item anterior. As ações podem envolver:

  • lavagem para a retirada de sujeira e resíduos;
  • lixamento fino da tinta anterior;
  • nivelamento com lixas grossas da superfície para que ela fique com uma aparência homogênea;
  • preenchimento de buracos e rachaduras com gesso ou argamassa;
  • tratamento do mofo e impermeabilização nas áreas com infiltrações;
  • aplicação de algum tratamento pré-pintura etc.

Com isso, você garante um trabalho incrível com a satisfação completa do cliente. O maior erro que se pode cometer durante o processo de pintura é achar que os únicos trabalhos serão dar uma lixada rápida e aplicar a tinta.

4. Fazer a proteção adequada das superfícies

Muitos profissionais negligenciam a proteção dos pisos em áreas externas durante a pintura, pois acreditam que eles são mais resistentes ou menos nobres que os “revestimentos internos”. Com isso, podem manchar a fachada do cliente e comprometer a estética da construção.

Isso causa uma insatisfação muito grande, mesmo que a pintura tenha sido bem-sucedida. Afinal, será trabalhoso corrigir aquele erro.

Seguindo as dicas de pintura de área externa que demos aqui, certamente você terá um projeto muito mais bem-sucedido. Os clientes são exigentes nessa etapa da obra, e todo o cuidado será pouco.

Quer saber mais como podemos ajudá-lo com nossas soluções de proteção e limpeza? Então não deixe de entrar em contato com a gente!

Posts relacionados

Deixe um comentário